Quem sou eu

Minha foto
HOJE ALGUMAS FRASES ME DEFINEM: "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." Clarice Lispector "Os contos de fadas são assim. Uma manhã, a gente acorda. E diz: "Era só um conto de fadas"... Mas no fundo, não estamos sorrindo. Sabemos muito bem que os contos de fadas são a única verdade da vida." Antoine de Saint-Exupéry. Contando Histórias e restaurando Almas."Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa

Colaboradores

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

A Lenda de Narciso


Narciso era um belo rapaz que todos os dias ia contemplar sua beleza num lago.
Era tão fascinado por si mesmo que certo dia caiu dentro do lago e morreu afogado.
No lugar onde caiu, nasceu uma flor, que chamaram de narciso.
Quando Narciso morreu, vieram as Oreiades - deusas do bosque - e viram o lago transformado,
de um lago de água doce, num cântaro de lágrimas salgadas.
- Por que você chora? - perguntaram as Oreiades.
- Choro por Narciso - respondeu o lago.
- Ah, não nos espanta que você chore por Narciso - continuaram elas.
Afinal de contas, apesar de todas nós sempre corrermos atrás dele pelo bosque,
você era o único que tinha a oportunidade de contemplar de perto sua beleza.
- Mas Narciso era belo? perguntou o lago.
- Quem mais do que você poderia saber disso?
- responderam surpresas as Oreiades.
- Afinal de contas, era em suas margens que ele se debruçava todos os dias.
O lago ficou algum tempo quieto e por fim disse:
- Eu choro por Narciso, mas jamais havia percebido que Narciso era belo.
"Choro por Narciso porque,
todas as vezes que ele se deitava sobre minhas próprias margens
eu podia ver, no fundo dos seus olhos minha própria beleza refletida."

terça-feira, 29 de setembro de 2009

As Colheres de Cabo Comprido

Conta uma lenda que Deus convidou um homem para conhecer o céu e o inferno.
Foram primeiro ao inferno. Ao abrirem uma porta, o homem viu uma sala em cujo centro havia um caldeirão de substanciosa sopa e à sua volta estavam sentadas pessoas famintas e desesperadas. Cada uma delas segurava uma colher, porém de cabo muito comprido, que lhes possibilitava alcançar o caldeirão, mas não permitia que colocassem a sopa na própria boca. O sofrimento era Grande. Em seguida, Deus levou o homem para conhecer o céu. Entraram em uma sala idêntica à primeira:havia o mesmo caldeirão, as pessoas em volta e as colheres de cabo comprido. A diferença é que todos estavam saciados. Não havia fome, nem sofrimento. "Eu não compreendo", disse o homem a Deus, "por que aqui as pessoas estão felizes enquanto na outra sala morrem de aflição, se é tudo igual?". Deus sorriu e respondeu: "Você não percebeu? É porque aqui eles aprenderam a Dar comida uns aos outros." Moral: Temos três situações que merecem profunda reflexão:
  • 1. *Egoísmo: *as pessoas no "inferno" estavam altamente preocupadas com a sua própria fome, impedindo que se pensasse em alternativas para equacionar a situação;

  • 2. *Criatividade:* como todos estavam querendo se safar da situação caótica que se encontravam, não tiveram a iniciativa de buscar alternativas que pudessem resolver o problema;

  • 3. *Equipe:* se tivesse havido o espírito solidário e ajuda mútua, a situação teria sido rapidamente resolvida.

*Conclusão:* Dificilmente o individualismo consegue transpor barreiras. O espírito de equipe é essencial para o alcance do sucesso. Uma equipe participativa, homogênea, coesa, vale mais do que um batalhão de pessoas com posicionamentos isolados. Isso vale para qualquer área de sua vida.

A Lenda das Quatro Estações

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Estratégia é tudo!


Um Homem de idade vivia sozinho em Minnesota.
Ele queria virar a terra de seu jardim para plantar flores,
mas era um trabalho muito pesado.
Seu único filho, que normalmente o ajudava nesta tarefa,
estava na prisão.
O homem então escreveu a seguinte carta ao filho,
reclamando de seu problema:
"Querido Filho, Estou triste porque, ao que parece,
não vou poder plantar meu jardim este ano.
Detesto não poder fazê-lo porque sua mãe sempre adorava flores e
esta é a época do plantio. Mas eu estou velho demais para cavar a terra.
Se você estivesse aqui, eu não teria esse problema,
mas sei que você não pode me ajudar com o jardim, pois estás na prisão.
Com amor, Papai.
"Pouco depois o pai recebeu o seguinte telegrama:
"PELO AMOR DE DEUS, PAPAI, NÃO ESCAVE O JARDIM!
FOI LÁ QUE EU ESCONDI OS CORPOS."
As quatro da manhã do dia seguinte,
uma dúzia de Agentes do FBI e policiais apareceram,
e cavaram o jardim inteiro, sem encontrar nenhum corpo.
Confuso, o velho escreveu uma carta para o filho contando o que acontecera.
Esta foi a resposta:
"PODE PLANTAR SEU JARDIM AGORA, PAI.
ISSO É O MÁXIMO QUE EU POSSO FAZER NO MOMENTO.
"ESTRATÉGIA É TUDO PARA UM GESTOR...
E PARA PROFISSIONAIS COMPETENTES."
Ter problemas na vida é inevitável,
ser derrotado por eles é opcional".
Pense nisso!!

domingo, 27 de setembro de 2009

Amizade

Quem és tu?... Perguntou o principezinho ... és bem bonita ...
Sou uma raposa ... ela respondeu ...
Príncipe: vem brincar comigo ... estou triste.
Raposa: eu não posso brincar contigo!
Não me cativaram ainda.Príncipe: ah! desculpe-me... o que quer dizer "cativar"? Raposa: tu não és daqui ... que procuras?
Príncipe: procuro amigos ... que quer dizer "cativar"?
Raposa: é uma coisa muito esquecida ... significa criar laços.
Príncipe: criar laços ?
Raposa: Exatamente! Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual acem mil outros garotos! E eu não tenho necessidade de ti.E tu não tens também necessidade de mim.Não passo a teus olhos de uma simples emortal raposa igual a cem mil outras raposas.
Ah!!! Mas se tu me cativas...
nós teremos necessidade um do outro.
Serás para mim o único no mundo,
e eu serei para ti a única no mundo...
E a raposa continuou... Minha vida é monótona.
Eu caço galinhas e os homens me caçam.
Todas as galinhas se parecem e
todos os homens se parecem também.
E por isso eu me aborreço um pouco.
Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol...
Conhecerei seus passos, um barulho que será diferente dos outros.
Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra.
O teu me chamará para fora da toca...
Será como música aos meus ouvidos...
E, depois, olhai! Ves lá longe os campos de trigo?
Eu não como pão. O trigo para mim é inútil.
Os campos de trigo não me lembram coisa alguma... e isso é triste!
Mas tu tens cabelos cor de ouro.
Então, será maravilhoso quando me tiveres cativado.
O trigo, que é dourado,
fará lembrar-me de ti... E eu amarei o som do vento que passa no trigueiral...
Por Favor, Cativa-me!!!
Bem quisera . . . disse o principezinho . . .
mas eu não tenho muito tempo. Tenho amigos a descobrir e muitas outras coisas para conhecer.
A gente só conhece bem as coisas que cativa . . .disse a raposa...
Os homens não têm tempo de conhecer coisa alguma.
Compram tudo prontinho nas lojas.
Mas como não existem lojas de amigos,
os homens não tem mais amigos.
Se tu queres um amigo...
anda... vamos lá... cative-me !!!
Que é preciso fazer?
Perguntou o principezinho ...
É preciso ser paciente.
Respondeu a raposa...
Tu te sentarás primeiro, um pouco longe de mim, assim, na relva.
Eu te olharei com o canto dos olhos e tu não dirás nada.
A linguagem é uma fonte de mal-entendidos.
Mas a cada dia, tu te sentarás cada vez mais perto... e...
No dia seguinte o principezinho voltou.
Teria sido melhor voltares a mesma hora... disse a raposa...
Se tu vens, por exemplo, as quatro horas da tarde,
desde as três eu começarei a ser feliz.
Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz.
As quatro horas então... estarei inquieta e agitada.
Descobrirei o preço da felicidade.
Mas se tu vens a qualquer momento,
nunca saberei a hora de preparar o coração...
- Quis!!! ... disse a raposa...
Príncipe: - mas tu vais chorar ?
- Vou. ...disse a raposa...
- então não sairás lucrando... disse o principezinho...
Eu lucro sim!!! disse a raposa...
por causa da cor de teus cabelos, ao olhar os campos de trigo...
tu estarás sempre presente em meu coração...

Pedacinhos de tempo que vivemos com cada pessoa.
Não importa a quantidade de tempo que passamos, mas a qualidade do tempo que vivemos com cada uma. Cinco minutos podem ter uma importância muito maior do que um dia inteiro.
Assim, há amizades que são feitas de risos e dores compartilhados; outras de escola; outras de saídas, cinemas, conversas, diversões; há ainda aquelas que nascem e a gente nem sabe de quê, mas que estão presentes.
Talvez essas sejam feitas de silêncios compreendidos, ou de simpatia mútua sem explicação.
Aprendemos a amar as pessoas sem julgá-las pela sua aparência ou modo de ser, sem que possamos (e fazemos isso inconscientemente, às vezes) etiquetá-las.
Há amizades profundas criadas assim.
Saint-Exupéry disse:
"Foi o tempo que perdestes com tua rosa que fez tua rosa tão importante".


Desenhos e trechos do Livro
“O Pequeno Príncipe”
De Antoine Saint Exupéri

Uma lenda árabe sobre amizade



Diz uma lenda árabe que dois amigos viajavam
pelo deserto e em um determinado ponto da viagem,
discutiram e um deu uma bofetada no outro.
O outro, ofendido, sem nada poder fazer,
escreveu na areia: "Hoje, o meu melhor amigo deu-me uma bofetada no rosto".
Seguiram adiante e chegaram a um oásis onde resolveram tomar banho.
O que havia sido esbofeteado e magoado começou a afogar-se,
sendo salvo pelo amigo.
Ao recuperar-se, pegou um canivete e
escreveu numa pedra: "Hoje, meu melhor amigo salvou minha vida".
O outro amigo perguntou:
-Por que, depois que te magoei, escreveu na areia e agora, escreves na pedra?
Sorrindo, o outro amigo respondeu:
-Quando um grande amigo nos ofende,
devemos escrever onde o vento do esquecimento e
o perdão se encarreguem de apagar a lembrança.
Por outro lado quando nos acontece algo grandioso,
devemos gravar isso na pedra da memória do coração
onde vento nenhum em todo o mundo poderá apagá-lo.
Só é necessário um minuto para que simpatize com alguém,
uma hora para gostar de alguém, um dia para querer bem a alguém,
mas precisa de toda uma vida para que possa esquecê-lo.
Nós conhecemos as pessoas por acaso,
mas não é por acaso que elas permanecem em nossa vida.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...