Quem sou eu

Minha foto
HOJE ALGUMAS FRASES ME DEFINEM: "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." Clarice Lispector "Os contos de fadas são assim. Uma manhã, a gente acorda. E diz: "Era só um conto de fadas"... Mas no fundo, não estamos sorrindo. Sabemos muito bem que os contos de fadas são a única verdade da vida." Antoine de Saint-Exupéry. Contando Histórias e restaurando Almas."Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa

Colaboradores

domingo, 4 de abril de 2010

As Fadas - 17H MMN

--

As Fadas

Era uma vez uma viúva que tinha duas filhas; a mais velha era tão parecida Com ela de feições e de temperamento que quem a via, via a mãe. Ambas Eram tão desagradáveis e orgulhosas que não se podia viver com elas. A caçula, que era o verdadeiro retrato do pai pela doçura e honestidade, era, além disso, uma das mais belas moças que já se viram. Como as pessoas gostam naturalmente de seus semelhantes, a mãe era louca pela filha mais velha e ao mesmo tempo tinha uma aversão terrível pela caçula. Obrigava-a a comer na cozinha e a trabalhar sem parar. A pobre menina, entre outras coisas, tinha de ir duas vezes por dia buscar Água a uma boa légua da casa, e trazer uma grande moringa bem cheia. Um dia ela estava nessa fonte, veio até ela uma pobre mulher que pediu que lhe desse de beber. "Pois não, minha boa mãe", disse a bela menina; e logo, enxaguando a moringa, recolheu água no melhor lugar da fonte e lhe apresentou a moringa a fim de que ela pudesse beber mais facilmente. A boa senhora, depois de beber, disse-lhe: "Você é tão bela, tão Boa e tão honesta que não posso deixar de fazer-lhe um dom (pois era uma fada que tinha tomado a forma de uma pobre mulher de aldeia para ver até onde iria a generosidade da mocinha).onde iria a generosidade da mocinha). Eu lhe dou como dom , prossegui a fada, que a cada palavra que você disser, lhe sairá da boca uma flor,ou uma pedra preciosa. Quando a bela menina chegou a casa, sua mãe ralhou com ela por ter voltado tão tarde da fonte. "Peço-lhe perdão, minha mãe disse a menina, por ter demorado tanto; e ao dizer essas palavras, saíram de sua boca duas rosas, duas pérolas e dois grandes diamantes. "O que é que eu estou vendo” disse a mãe muito espantada; “creio que lhe estão saindo da boca pérolas e diamantes; de onde vem isso, minha filha?" (foi a primeira vez que a chamou de sua filha).-A pobre criança contou-lhe ingenuamente tudo que lhe tinha acontecido, não sem lançar uma infinidade de diamantes. "Realmente", disse a mãe, "é preciso que eu mande lá a minha filha; “olha Chiquinha, veja o que está saindo da boca da sua irmã quando ela fala; você não ficaria bem contente se tivesse o mesmo dom? Você só tem que ir buscar água na fonte, e quando uma pobre mulher lhe pedir água, dar-lhe de beber gentilmente". - "Bela coisa, respondeu a estúpida, "eu ir à fonte!" - "Eu quero que você vá lá, retrucou a mãe, "e já." Ela foi, mas sempre resmungando. Pegou o mais belo Vaso de prata que havia na casa. Mal ela chegou à fonte, viu sair do bosque uma Dama magnificamente vestida que lhe pediu de beber: era a mesma Fada que tinha aparecido à irmã, mas que agora tinha tomado o aspecto e as roupas de uma Princesa, para ver até onde iria a desonestidade dessa moça. ''Acha que eu vim até aqui", disse a estúpida orgulhosa, "para lhe dar de beber? Justamente eu trouxe um Vaso de prata para dar de beber à Madame! Eu tenho opinião, beba diretamente na fonte, se quiser". - "Você não é nada gentil", retomou a Fada, sem se irritar; "pois bem, já que você é tão pouco generosa, vou lhe dar como dom que, a cada palavra que disser, sairá da sua boca uma cobra ou um sapo." Logo que a mãe a avistou, gritou: "E então, minha filha!" - "E então, minha mãe!" respondeu a estúpida, lançando duas víboras e dois sapos. - "á meu Deus!"exclamou a mãe, "o que é que estou vendo? É sua irmã a causa disso, ela vai me pagar; e logo correu para bater nela. A pobre menina fugiu e foi colocar-se a salvo numa Floresta próxima. O filho do Rei, que voltava da caçada, encontrou-a e, vendo-a tão bela, perguntou-lhe o que fazia sozinha ali e o que tinha para estar chorando. "Pobre de mim! meu Senhor, foi minha mãe que me expulsou de casa." O filho do Rei, que viu sair de sua boca cinco ou seis pérolas e outros tantos diamantes, rogou-lhe que lhe dissesse de onde vinha aquilo. Ela contou-lhe a sua aventura. O filho do Rei enamorou-se dela e, considerando que semelhante dom valia mais do que tudo que se podia dar em casamento a uma outra, levou ao Palácio do Rei seu pai, onde se casou com ela. Quanto a irmã, fez-se odiar tanto que a própria mãe a expulsou de casa,e a infeliz,depois de ter percorrido muitos lugares sem achar ninguém . quisesse receber, foi morrer no fundo de um bosque.

-----


* * * MORAL As Pistolas e os Diamantes Podem as Mentes fascinar; Mas as palavras confortantes Tem ainda mais força, e um valor sem par. OUTRA MORAL A honestidade exige alguns cuidados, E quer também alguma complacência, Mas cedo ou tarde tem sua recompensa, E em momentos até os menos esperados.


* * *


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...