Quem sou eu

Minha foto
HOJE ALGUMAS FRASES ME DEFINEM: "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." Clarice Lispector "Os contos de fadas são assim. Uma manhã, a gente acorda. E diz: "Era só um conto de fadas"... Mas no fundo, não estamos sorrindo. Sabemos muito bem que os contos de fadas são a única verdade da vida." Antoine de Saint-Exupéry. Contando Histórias e restaurando Almas."Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa

Colaboradores

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

A Princesa Parizade


Imagens do Google


Enquanto isso, o terceiro bebê, uma princesa, da mesma forma que seus irmãos teve também a sorte de ser encontrado pelo intendente, no canal ao lado dos jardins, adotando-a. Os três foram criados com todo cuidado e toda ternura.Enquanto as crianças cresciam, a beleza delas e ar de distinção mais e mais seevidenciavam, revelando que se tratavam de pessoas de berço nobre. O primeirodeles foi chamado pelo pai adotivo de Bahman. O segundo, de Perviz, nomes dedois reis antigos da Pérsia, enquanto a princesa foi chamada de Parizade.O intendente teve cuidado de apresentá-los sempre como seus próprios filhos,cuidando pessoalmente de sua educação. Mais tarde, designou um tutor paraensinar para à jovem princesa ler e escrever. A jovenzinha, determinada a não ficar para trás, mostrou que ela estava tão ansiosa para aprender com os irmãos dela queo intendente consentiu que ela os acompanhasse. Logo ela sabia tanto quanto eles.

Desde aquele tempo, todos seus estudos foram feitos em comum. Eles tiveramos melhores mestres em belas artes, geografia, poesia, história e ciência. Mesmo essa matéria, em que poucos eram instruídos, parecia a eles tão fácil que seus professores ficaram surpresos com o progresso feito. A princesa demonstrou paixão pela música e aprendeu a tocar todos os tipos de instrumentos. Também aprendeu a montar tão bem como seus irmãos dela. Sabia usar o arco e a seta eatirar um dardo ou lança com a mesma habilidade como eles e, às vezes, até melhor.

Para incentivar essas habilidades, o intendente resolveu que seus filhos adotivos não mais deveriam ser limitados pelas estreitas fronteiras do jardim do palácio, onde sempre tinham vivido. Assim, comprou para uma esplêndida casa nazona rural, não muito distante da capital, cercada por um imenso parque. Esse parque ele encheu de animais selvagem de vários tipos, de forma que os príncipes ea princesa podiam caçar como gostavam de fazer.

Quando tudo estava pronto, o intendente se lançou aos pés do sultão e, depoisde se referir à idade dele e aos longos serviços prestados, implorou permissão deSua Alteza dele renunciar ao seu posto. O sultão agradeceu com palavras corteses,indagando que tipo de recompensa o criado desejava por ter servido tão fielmente por tanto tempo. Agradecendo, o intendente declarou que nada mais desejava quecontinuar merecendo a consideração do sultão. Prostrando-se mais uma vez, ele seretirou da presença do Sultão.

Cinco ou seis meses se passaram nos prazeres do campo, quando a morteatacou o intendente tão de repente que ele não teve nenhum tempo de revelar osegredo do nascimento às crianças adotadas por ele. Como sua esposa já haviamorrido havia muito tempo, parecia que os príncipes e a princesa jamais saberiamque eles uma origem muito mais alta do que imaginavam. O pesar pela morte do pai foi tão grande que eles preferiram continuar morando na nova casa, semnenhum desejo de trocá-la pela corte e suas intrigas.

Conto árabe

http://www.aletria.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...