Quem sou eu

Minha foto
HOJE ALGUMAS FRASES ME DEFINEM: "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." Clarice Lispector "Os contos de fadas são assim. Uma manhã, a gente acorda. E diz: "Era só um conto de fadas"... Mas no fundo, não estamos sorrindo. Sabemos muito bem que os contos de fadas são a única verdade da vida." Antoine de Saint-Exupéry. Contando Histórias e restaurando Almas."Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa

Colaboradores

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

ASTÚCIA E CORAGEM

Conto do Iraque
Era uma vez, um seleiro e sua esposa, que viviam com suas três filhas. O homem trabalhava bastante e, ao longo dos anos, economizou muitas moedas de ouro, colocando-as dentro de uma sela e a costurou como medida de segurança.
Tempos depois, vendeu esta sela por engano e só descobriu o erro muito depois que o cliente saiu da sua loja e da cidade.
Um ano depois, o cliente voltou para consertar a sela. O seleiro não podia acreditar na sua sorte, quando encontrou suas moedas ainda dentro da sela. Recuperou seu tesouro e criou uma canção para celebrar a sua fortuna e todos os dias a entoava:
Escondi e perdi
Esperei e encontrei
É meu pequeno segredo
E ninguém mais o conhecerá.
Certo dia, o sultão passou pela sua loja e ouviu a canção. Perguntou qual era o seu segredo.
- Se eu lhe contasse, disse o seleiro, não seria mais um segredo!
O monarca não desanimou e ordenou: - Sou sultão e ordeno que me conte seu segredo. O seleiro recusou novamente.
Então, o sultão perguntou-lhe se tinha família.
- Uma boa esposa e três filhas, ainda solteiras, respondeu o seleiro.
Nesse caso, ordenou o sultão, traga suas filhas amanhã no meu palácio e providencie para que as três estejam grávidas. Caso contrário, cortarei sua cabeça.
Mas majestade! Exclamou o seleiro horrorizado, minhas filhas são ingênuas e virgens, como podem ficar grávidas? E, se isso acontecer, quem se casará com elas? Estarão arruinadas por toda a vida.
Esse problema é seu, disse o sultão, rindo e se afastando.
O homem voltou para casa desesperado. Sua filha mais jovem, a mais sábia das três, viu a aflição do pai e perguntou o que o afligia. Ele explicou o problema.
A filha pensou por um momento e disse: - Não se desespere meu pai. Compre três vasilhas de água e eu mostrarei ao sultão como três virgens podem ficar grávidas.
Na manhã seguinte, a mais jovem, colocou sob seu vestido a vasilha e mandou que as irmãs fizessem o mesmo, instruindo-as do que deviam fazer quando chegasse ao palácio do sultão.
Quando chegaram o sultão perguntou à mais velha.
Há quanto tempo você está grávida? Do que tem mais desejo?
Ela curvou-se e disse: Estou grávida há três meses, e o que mais desejo são pepinos salgados.
Ele fez a mesma pergunta para a segunda que respondeu estar grávida de seis meses e que desejava beringelas picantes.
Quando ele falou com a mais jovem, ela disse que podia dar à luz a qualquer momento e o que mais desejava era peixe assado sob os sete mares.
Mas como se pode assar peixe debaixo da água? Ele perguntou. Isso é impossível.
A jovem respondeu que da mesma maneira como uma virgem pode engravidar e as três saíram do palácio, rapidamente.
No dia seguinte, o sultão chamou uma velha e entregou-lhe uma bolsa cheia de ouro pedindo que ela fosse até o seleiro e pedisse a mão da filha mais jovem em casamento. Ele pensou: - Uma mulher esperta como esta deve ser minha esposa.
Quando a velha olhou dentro da bolsa e viu ouro, roubou duas moedas. Chegou à casa do seleiro e a mais jovem abriu a porta.
- Sua mãe está em casa?
- Não, a jovem respondeu. Ela está transformando um em dois.
A velha não entendeu a resposta e disse. – Deixe-me falar com sua irmã mais velha.
- Ela está mudando o preto em branco, disse a jovem.
A velha insistiu. E sua irmã do meio?
- Ela está colhendo rosas.
Mas é inverno, falou a velha. Não há rosas em lugar algum! Ela pensou que a jovem era louca.
Aqui está um presente do sultão para você, disse a velha entregando-lhe a bolsa de moedas.
A jovem contou as moedas e devolveu a bolsa à velha, dizendo: - Tenho um recado para o sultão. Pergunte o seguinte: Quando se dá um carneiro de presente, corta-se-lhe a cauda?
A velha balançou a cabeça de novo, voltou até o sultão e contou o que a jovem lhe dissera e disse: - Tenho a impressão que a jovem é louca!
Ela não é louca, disse o sultão, ela é realmente astuta e perfeita para minha esposa. Quando disse que a mãe saíra para transformar um em dois, queria dizer que a mãe era parteira, e tinha ido fazer um parto. A irmã mais velha estava mudando o preto em branco, é esteticista e estava arrancando o pelo do corpo de alguma mulher. A irmã do meio, que colhia rosas no inverno,estava bordando flores num tecido. Quanto a cauda do carneiro, ela queria dizer que você roubou dinheiro da bolsa que lhe entreguei! Nunca mais faça isso, ou eu a punirei.
No dia seguinte, o sultão mandou a velha de volta, e outra proposta de casamento e. dessa vez, o seleiro e a filha mais jovem aceitaram.
O casamento foi celebrado logo, mas naquele mesmo dia, quando a esposa esperava em seu quarto, o sultão partiu para a guerra contra a terra de Siin.
A esposa esperou-o, mas como ele não aparecia, perguntou aos servos onde ele havia ido. Sentou-se pensativa e depois, retirou a roupa do casamento e colocou um uniforme de general, reuniu um exército e partiu, atrás do sultão.
Vários dias depois, ela encontrou as tropas do marido acampada à margem de um rio. Reuniu seu exército do outro lado e, em seguida enviou um mensageiro até o sultão, desafiando-o para uma partida de xadrez. Quando os dois se encontraram ele não a reconheceu e ela, ganhou a primeira partida. Como prêmio ela exigiu a adaga cravejada de pedras preciosas do sultão. Ele lhe entregou e jogaram outra partida e ele venceu e exigiu a adaga de novo.
Sugiro um prêmio melhor, disse ela. Tenho uma linda escrava, virgem, e deixarei que passe a noite com ela. O sultão concordou.
Ela saiu da tenda, tirou o uniforme, adornou-se com jóias e foi até ele. Ele ficou deliciado com a beleza da jovem e não reconheceu a esposa. No dia seguinte ela voltou para casa com seu exército, enquanto o sultão partia para a guerra de Siin.
Nove meses depois, a jovem deu à luz a um menino, que chamou de Siin.
Dois anos depois, o sultão voltou da guerra, mas só falou rapidamente com a esposa, pois tinha que partir para outra batalha, na terra de Masiin.
No dia seguinte, a esposa despiu os mantos, envergou um uniforme de general e comandou, novamente o seu exército. Quando chegou perto das tropas do sultão, mandou um arauto desafiá-lo para uma partida de xadrez.
Mais uma vez ele aceitou. Ela ganhou a primeira partida e pediu-lhe seu colar de orações. Ele venceu a segunda e ela fez a oferta de uma escrava, mas disse que esta só esteve com um homem uma única vez. Ele podia ter uma noite com ela. Ele concordou e mais uma vez não a reconheceu. No dia seguinte ele partiu para Masiin e ela voltou com seu exército para casa.
Nove meses depois nasceu outro menino, que ela chamou de Masiin.
Um ano depois, o sultão regressou e, mal olhou para a esposa, já estava sendo chamado para nova guerra. Assim, ele partiu para a batalha de Gharb. Mais uma vez ela repetiu toda a história e desta vez quando ganhou a partida ela pediu o turbante do sultão. Ofereceu a ele desta vez uma escrava que conhecia as artes do amor. No dia seguinte quando ele partiu ela voltou para casa e, nove meses depois, deu à luz a uma menina que chamou de Gharb.
Três anos se passaram antes que o sultão voltasse para casa. Ele quando chegou não falou com a esposa porque decidira casar-se com uma nova esposa, que seria uma princesa, mais adequada a condição dele do que a filha de um seleiro.
Quando chegou o dia do casamento, a jovem filha do seleiro, vestiu os três filhos com elegância e entregou ao mais velho a adaga, ao do meio o colar de orações e na mais nova colocou o turbante. Depois ensinou a eles uma canção.
Pouco antes do início do casamento, as crianças apareceram diante do sultão e cantaram:
Ele vence na guerra
Vence no xadrez
Vence no amor
Vence em sua busca
Nosso pequeno segredo
Ele o descobrirá?
O sultão olhou para as três crianças e reconheceu seus bens. Olhou fixamente para a esposa e aí percebeu o que ela fizera.
Você foi os três generais que me desafiaram e também as escravas que dormiram comigo? E, estes são meus filhos?
Ela confirmou com a cabeça.
Ele cancelou o novo casamento e voltando-se para a esposa, disse:
Você é a mais astuta mulher do mundo. Os dois se abraçaram e foi dada uma grande festa. Deste dia em diante, viveram felizes com os três filhos e muita sabedoria... da parte dela!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...