Quem sou eu

Minha foto
HOJE ALGUMAS FRASES ME DEFINEM: "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." Clarice Lispector "Os contos de fadas são assim. Uma manhã, a gente acorda. E diz: "Era só um conto de fadas"... Mas no fundo, não estamos sorrindo. Sabemos muito bem que os contos de fadas são a única verdade da vida." Antoine de Saint-Exupéry. Contando Histórias e restaurando Almas."Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa

Colaboradores

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Parábola do Aquário

Era uma vez um aquário onde viviam peixes grandes, médios e pequenos. Ali imperava a lei do mais forte. Os alimentos atirados pelo Criador eram disputados.Primeiro comiam os maiores. O que sobrava destes era devorado pelos médios. E o que sobrava dos médios era devorado pelos pequenos. Na falta de outro alimento, os grandes devoravam os médios e estes, por sua vez, devoravam os pequenos. Ora, havia um peixinho muito pequenino, que morava no fundo do aquário, onde estava a salvo da fome e da gula dos demais. Ali, naquelas profundezas, poucas vezes caía algum alimento. Mas, o peixinho, ao invés de maldizer a sorte, enganava a fome distraindo-se a
contemplar os desenhos dos azulejos, as plantinhas, a areia branca eas pedrinhas brilhantes que enfeitavam o fundo do aquário. Um belo dia, o peixinho descobriu um ralo, por onde saía a água do aquário. Admirado, exclamou: "Ué! Então este aquário não é tudo?
Existe outro lugar onde se pode viver? Para onde irá essa água que não pára de correr?
E, o peixinho, curioso, tentou passar pelo ralo. Como os vãos fossem muito estreitos,
ele se dispôs a fazer sacrifícios e emagrecer até passar para o outro lado.
Foi assim que, dias mais tarde, bem mais magro e ainda assim perdendo
algumas escamas na travessia, ele conseguiu seu intento. E foi assim que ele conheceu, pela primeira vez na vida, o que é a água corrente. - Uma delícia! Uma maravilha!
o peixinho até uma enxurrada... Na enxurrada, mais água ainda.
E a correnteza mais forte. Não era preciso nadar.
Bastava soltar o corpo. Que maravilha! Quantos peixinhos livres!
Quantos barquinhos de papel! E o sol??? Que coisa linda! E aqueles bobos,
lá no aquário, pensando que aquilo fosse tudo, aquela água suja e parada.
Coitados!!! E a enxurrada levou o peixinho a um riacho.
E o peixinho nunca pudera imaginar tanta água de uma vez.
Nunca vira crianças nadando. Nunca vira mulheres lavando roupa e cantando.
Nunca pudera ver tantas plantas, tantas flores, tanta beleza junta!
E julgou que estivesse delirando. Quanta comida, quanta água,
quanto lugar onde viver em paz, quanta felicidade para todos! Ah!
Aqueles pobres peixes lá no aquário ... se vissem tudo isto! E o riacho levou
o peixinho até o rio. Não. Não é possível! Isto não existe!
Olha quanta água! Parece não ter fim. Quanta comida! Quanto sol,
quanta luz, quanta beleza! E foi assim, extasiado, maravilhado, deslumbrado,
quase não acreditando em seus próprios olhos, que o peixinho,
levado pelo grande rio, chegou enfim ao mar. Ali, diante daquele infinito de águas, de alimentos, de luz, de cores, de plantas, de um mundo de coisas maravilhosas, diante daquela majestade toda, o peixinho chorou. Chorou comovido, agradecido,
porque a alegria era tanta que não cabia dentro de si. E chorou, sobretudo,
de pena de seus coleguinhas, grandes e pequenos, que haviam ficado lá no aquário,
naquelas águas poluídas, escuras, pardas, espremidos, pensando viver no melhor dos mundos.
E o peixinho, então resolveu voltar e contar a boa nova a todos.
E o peixinho voltou. Do mar para o rio (sacrifício, porque agora a
viagem era contra a correnteza).
Ele nadou para o riacho, para a enxurrada e da enxurrada para o rego e
do rego para o fundo do aquário. E atravessou o ralo de volta...
Desse dia em diante, começou a circular pelo aquário um boato de que
havia um peixinho contando coisas mirabolantes, falando de um lugar muito melhor
para viver, um lugar de amor e paz, um lugar de fartura infinita,
onde ninguém precisa fazer sacrifício, nem se devorar uns aos outros.
E todos acorreram ao fundo do aquário para saber da novidade.
Os grandes, os médios, os pequenos, todos os peixes queriam saber o que era preciso
fazer para chegar a esse mundo maravilhoso...
E o peixinho, mostrando-lhes o ralo, explicou, que para chegar ao outro mundo,
era preciso algum sacrifício, pois a passagem era realmente estreita.
Segundo o tamanho, uns teriam de sacrificar-se mais, outros menos.
E os peixes pequenos passaram, a seguir, a escutar o peixinho,
enquanto os médios e os grandes, sobretudo, consideravam-no maluco,
um visionário. Onde já se viu? Impossível passar por aquele vãozinho tão estreito!
Só um louco mesmo! E a história do peixinho se alastrou.
De tal maneira se alastrou e pegou, que modificou a vida no aquário e
perturbou o sossego dos peixes grandes e médios,
que estes acabaram por matar o peixinho para acabar com aquelas besteiras.
Mas o peixinho não morreu. Continuou vivendo, pois sua mensagem imortal,
passava de geração em geração... Até hoje, a história do peixinho é
lembrada no aquário. Até hoje, há os que crêem. E até hoje há os passam pelo ralo e os que jamais conseguirão fazê-lo, porque, quanto maior e poderoso, tanto maior será o sacrifício exigido.
E por isso está escrito:
"EM VERDADE, EM VERDADE VOS DIGO: É MAIS FÁCIL UM CAMELO PASSAR PELO FUNDO DE UMA AGULHA DO QUE OS RICOS ENTRAREM NO REINO DE DEUS".

História enviada por Denise Tiseu
Contadora de Histórias

* * *

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...