Quem sou eu

Minha foto
HOJE ALGUMAS FRASES ME DEFINEM: "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." Clarice Lispector "Os contos de fadas são assim. Uma manhã, a gente acorda. E diz: "Era só um conto de fadas"... Mas no fundo, não estamos sorrindo. Sabemos muito bem que os contos de fadas são a única verdade da vida." Antoine de Saint-Exupéry. Contando Histórias e restaurando Almas."Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa

Colaboradores

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

A Mãe e o Anjo

Na capital do reino de Galvânia vivia, em outros
tempos, uma pobre mulher, viúva de um cesteiro,
em companhia de seu filho único, chamado Alcon,
que desde o nascimento havia sido acompanhado
de boa sorte, pois veio ao mundo juntamente com o
Ano Novo, e num domingo, isto é, nasceu no
primeiro dia do ano, e este dia havia caído
precisamente num domingo.
Como todos os que nascem assim, teve um belo
anjo para lhe servir de guia no caminho da vida, de
ajuda em todos os empreendimentos, e de refúgio
em todas as dificuldades.
Mas o garoto não sabia dar valor a isto, pois era
impertinente e briguento, e, além disto, em seu
coração morava a inveja.
Um dia viu perto de sua casa o filho de um rico
comerciante de tapetes,
brincando com uma bola de ouro, e imediatamente
disse em tom imperioso à sua mãe:
- Eu também quero uma bola de ouro.
- Meu filho, - respondeu a mãe - eu não posso
comprar-te uma bola de ouro; o dinheiro não chega,
e não seria bom pedi-la ao teu bom anjo da guarda,
porque ele só tem obrigação de ajudar-te nas
coisas necessárias, e não de satisfazer as tuas
exigências de invejoso.
O garoto não respeitou as palavras da mãe e
gritou:
- Escuta, meu anjo da guarda; quero que me dês
uma bola de ouro, e neste instante, agora mesmo! -
Rodou uma bola de ouro a seus pés, mas ele não
brincou com ela nem um quarto de hora; antes disto
a atirou com desprezo no lixo.
De outra vez, um de seus colegas de escola, o filho
do jardineiro do palácio, o convidou a ver o seu
jardim e o acompanhou à estufa: ali havia
palmeiras em forma de leque, laranjeiras com frutos
de ouro, orquídeas com elegantes flores e outras
maravilhas de jardinagem, e nela se respiravam
verdadeiras ondas de perfume.
Alcon ficou encantado com tudo aquilo; mas, a
caminho de sua casa, foi invadido pela tristeza e
pelo pesar, por não ter uma estufa igual aquela.
- Que o meu anjo da guarda construa para mim,
imediatamente, uma estufa - disse impaciente à
sua mãe.
- Não o importunes em vão - respondeu a mãe -; do
contrário, quando precisares dele de verdade, lhe
direi que não te ouça. E se chegar a acontecer isto,
- acrescentou - ficarei doente de pesar, e será pior.
Mas Alcon não desistiu do seu desejo; pelo
contrário, gritou com mais força do que nunca:
- Para que me serve ele, se não me satisfizer
nestes pequenos desejos? Preciso de uma estufa; e
hei de tê-la, custe o que custar!
O bondoso anjo construiu uma estufa de cristal,
maior ainda que aquela que Alcon tinha visto, e
com maior número de plantas.
Passada uma hora, Alcon já estava enjoado e
aborrecido: fechou a porta e nunca mais entrou na
estufa.
Aconteceu, naturalmente, o que sempre acontecia:
ele queria possuir tudo o que os outros tinham, e
dentro de pouquíssimo tempo já não fazia mais
caso, e nem olhava para o que obtivera. Mas sua
mãe, conforme já havia predito, caiu doente, de
preocupação, e demorou muito a recuperar a saúde.
Certa manhã, Alcon estava olhando à janela e viu
passar pela rua a filha do rei, jovem esbelta e de
rara formosura, acompanhada do seu séquito,
composto de três pessoas: um cavaleiro levando
armas reluzentes, para proteger a sua ama, se
fosse necessário; uma senhora muito simplesmente
vestida, com um grande bolso do lado, uma
tesoura, uma agulha e um pente na mão;
finalmente uma amável moça vestida de branco e
com uma corrente de ouro ao pescoço, que servia
para brincar com a princesa.
O povo, quando ela passava, se punha de joelhos,
maravilhado. Alcon também arregalava os olhos;
mas dali a pouco seu coração foi roído pela inveja e
ele exclamou:
- Quero ter um acompanhamento igual a este: um
homem, uma mulher e uma jovem.
A mãe lhe pediu, lhe suplicou que desistisse
daquela idéia, pois do contrário ela morreria de
mágoa. Mas Alcon, como se não ouvisse aquelas
palavras, gritou:
- Anjo da guarda, eu quero isto; dá-me, e não te demores!
A mãe teve um ataque de coração e caiu ao chão.
Alcon, como se não enxergasse nada, continuou gritando:
- Eh, meu anjo! O que fazes que não me atendes?
De repente apareceu diante dele o anjo, mas não
estava sorrindo como dos outras vezes; sacudia
vagarosamente suas asas de ouro, e também
devagar, e muito calmo, lhe disse:
- Não posso contentar-te. Nos homens só Deus
manda.
- Então, - replicou Alcon - para que me serves, se
não queres atender a um desejo tão insignificante?
Melhor seria que não aparecesses mais por aqui!
O rosto do anjo escureceu como se tivesse caído
em cima dele um véu de nuvens, e ele disse:
- Já que tanto a desejas, e exiges isto de mim, vou
atender-te: tu também terás um séquito, mas não
será de criaturas humanas, e sim de figuras do
outro mundo. Ignoro se vais ficar contente. Eu não
posso mais viver contigo, nem estar a teu lado;
devo abandonar-te imediatamente.
- Pouco me importa - respondeu obstinado Alcon -;
vai-te para sempre; não me causará nenhum
desgosto a tua ausência. Segue teu caminho, que
não preciso mais de ti; ando até cansado de ti, há
muito tempo.
Ao ouvir semelhantes palavras, todo o frágil corpo
do anjo estremeceu. Ele não disse nada. Ganhou a
porta, profundamente triste, e desapareceu.
No mesmo lugar que ele havia ocupado antes de
desaparecer, surgiram de repente três sêres muito
estranhos, que deviam formar o tão desejado
séquito: um homem, uma mulher e uma jovem. De
onde tinham saído, ninguém podia saber.
O homem estava vestido de preto, dos pés a
cabeça; cobria as mãos com luvas negras, e a
cabeça usava um capucho também negro; tinha um
rosto muito sério e olhar severo.
A mulher se vestia de cinzento, dos pés à cabeça, e
até o rosto estava coberto por um véu cinzento, de
maneira que não se distinguiam seus traços; mas,
observando-a de perto, se percebia que estava
transtornada pelo sofrimento e pela dor.
Finalmente, a jovem estava cercada de uma
atmosfera de vapor opaco, de modo que
dificilmente podia ser reconhecida, nem mesmo pela
silhueta. Parecia que o seu corpo se evaporava no
ambiente. Em vez de olhos se viam em seu rosto
duas grossas lágrimas, que pareciam ter-se
coagulado.
Alcon, por sua vez, sentiu que tudo que nele havia
de belo e de claro se desprendia e evaporava no ar:
em seu lugar ficaram a tristeza, a miséria e a
aflição.
Então começou a se preocupar e gritou:
- Quem sois? O que quereis de mim?
Adiantou-se o que estava de preto e respondeu com
voz cavernosa:
- Fomos encarregados de te seguir, e estamos a teu
serviço: eu sou o Sr. Pesar; tenho o poder de
espremer em minhas mãos os raios do sol, de modo
que escureça tudo à minha volta.
Dizendo isto, voltou para o seu lugar, e a mulher de
cinzento deu um passo a frente, e com uma voz de
túmulo disse:
- Eu sou D. Preocupação; observa minha mão
cinzenta: quando ela toca alguma coisa, esta coisa
fica dura como o gelo. - E voltou para o
seu lugar.
A jovem, a soluçar, muito triste, disse em tom
de voz queixosa:
- Chamam-me de Srta. Angústia: quando levanto os
olhos, cai chuva do céu, mas não são claras e
refrescantes gotas de água, são lágrimas salgadas
e grossas.
Alcon então exclamou com voz medrosa:
- Afastai-vos daqui, deixai-me em paz, que não
preciso de vós!
- Não posso - disse o homem de preto -; não
atendo a nenhum pedido.
- Não posso, - disse a mulher de cinzento - não
obedeço a nenhuma ordem.
- Não quero, - disse a jovem - não cedo a nenhuma
força nem violência.
- Quer dizer que não vos afastareis da minha
presença?. . . - respondeu Alcon, melancólico.
- Só tenho um inimigo que pode vencer-me - disse o
homem de preto: - é a felicidade.
- E eu só tenho um adversário que pode mais do
que eu - disse a mulher de cinzento: - é a
tranqüilidade.
- Eu só tenho um adversário que não posso
afugentar - disse a jovem: - é o amor.
- Não conheço vossos três inimigos - disse Alcon -;
mas como me causais a maior repugnância, vou
buscá-los para que vos afugentem e eu possa
desfazer-me de vós.
- Nós te seguiremos fielmente, - replicaram eles -
porque és nosso amo e senhor.
Alcon então pegou o cajado e partiu; seus três
acompanhantes o seguiram constantemente, aonde
quer que ele fosse; não encontrava repouso nem
descanso. Os homens aos quais havia dado alguma
vez abrigo, agora o protegeriam, mas, vendo que o
Sr. Pesar, D. Preocupação e a Srta. Angústia
também queriam entrar, os punham porta fora.
Sendo assim, Alcon teve de dormir em companhia
das feras do bosque, sem que nenhuma delas o
molestasse em nada, porque, quando viam a
comitiva que ele levava, se escondiam no bosque.
Sem saber aonde ir, nem onde ficar, ele vagava por
caminhos e atalhos, por campos e planícies, não
encontrando em parte alguma o que procurava.
Finalmente chegou a sentir enjôo da vida, porque
lhe parecia que não tinha objetivo nenhum para ele,
e era triste e miserável. Com prazer acabaria com
ela, se pudesse descobrir nisso um fim honroso.
Certo dia ele soube que em sua pátria, Galvânia,
reinava uma grande miséria. Três criaturas
horrendas ali estavam morando, e faziam estragos
em toda parte. Eram uns temíveis demônios, contra
os quais nada podia a força humana, porque eram
invulneráveis. Atormentavam e martirizavam os
homens, encontrando nisto as maiores alegrias e
delícias.
Entre outras façanhas que deles se contavam, diziase
que haviam raptado a filha do rei, levando-a
para um castelo de ferro, onde ninguém podia
penetrar; além disto eles mantinham ali uns
terríveis guardas, que davam morte triste a quem
tentasse chegar ao castelo, e assim ninguém se
atrevia nem a pensar em tal coisa.
Depois eles fizeram daquele país sua residência: o
primeiro, Artapex, ferreiro, tinha um machado de
prata que atirava ao ar e partia a cabeça de
qualquer um; o segundo, Martapix, pescador,
estendia pelas ruas da cidade redes tão finas, que
não existia olho humano capaz de enxergá-las, e
nelas caíam sem dúvida os que por ali passavam; o
pescador então aparecia soltando ruidosas
gargalhadas, e torcia o pescoço dos infelizes que
ficassem presos.
O terceiro, Kartapux, carroceiro, tinha uma carroça
onde qualquer pessoa podia carregar o que
quisesse, porque nunca se enchia de todo. Com ela
andava de cá para lá, metia dentro dela todas as
crianças que ia encontrando e as levava ao bosque,
onde as transformava em macacos, palhaços e
anões, e estes se viam obrigados a servi-lo e a
fazer tudo que ele mandasse.
Por isso reinava em todo o país o pânico, e só se
ouviam queixas e lamentos. Os homens não se
atreviam a sair de suas casas; punham-se de
joelhos e rogavam a Deus que os livrasse daqueles
hóspedes tão incômodos.
Sabendo disto, Alcon sentiu avivar-se em seu peito
o pouco que nele havia de amor à sua pátria, e ao
mesmo tempo sentiu uma grande dor ao pensar que
os lugares onde havia passado a sua infância, e
onde repousava sua mãe, seriam para sempre
sacrificados por tão temíveis inimigos.
Resolveu, então, expor a própria vida para libertar a
pátria. Assim resolvido, voou e toda velocidade para
Galvânia. Suas três inseparáveis camaradas o
seguiram como se fossem suas sombras.
Já perto da fronteira do país, ele ouviu ao longe os
gritos de dor dos seus compatriotas, misturados
com as gargalhadas sarcásticas dos demônios
ocupados em sua cruel tarefa.
Ele, porém, avançou valentemente, sem se
preocupar com eles: as folhas estalavam quando
ele passava, e os ramos das árvores rangiam.
De repente ele ouviu um assobio, um zumbido no
ar, e, levantando a cabeça, viu brilhar acima dela
um objeto de prata. Reconheceu o machado de
Artapex, e se julgou perdido ao ver que descia
sobre ele; mas levou instintivamente a mão à
cabeça e viu que nada lhe havia acontecido.
Então o Sr. Pesar pegou o machado e lho entregou.
Ouviu-se um forte uivo no bosque: o ferreiro
Artapex havia ficado desarmado e fugia pelo ar,
para o seu país (o país dos demônios).
Pela primeira vez se iluminaram os traços
fisionômicos de Alcon, e se notou em seu rosto um
raio de alegria; mas tornou a se obscurecer quando
olhou os seus sombrios colegas.
Não obstante, continuou rapidamente seu caminho,
com a intenção de vencer o segundo inimigo.
Já havia chegado ao final do bosque, quando
encontrou a estrada de sua cidade, e mal pôs os
pés nela, saltou repentinamente diante dele a Srta.
Angústia.
Ele ouviu ao mesmo tempo um ruído como de
alguma coisa se despedaçando, e logo viu a seus
pés, em pedacinhos, uma rede tão fina quanto uma
teia de aranha. Suas malhas eram extremamente
finas, mas aquela criatura vaporosa tinha
conseguido introduzir-se nelas.
Atravessou então o espaço um horroroso gemido,
seguido de um ruído penetrante e como se voasse
um pássaro monstruoso, rapidamente, pelos ares.
Era o pescador Martapix que, derrotado,
abandonava a terra e seus habitantes, para nunca
mais voltar.
Um sorriso franco iluminou o semblante de Alcon,
mas durou pouquíssimo tempo, pois quando voltou
de novo os olhos para o seu acompanhamento
imóvel e silencioso, foi assaltado pela mesma
tristeza de antes.
O país ainda não estava completamente livre. Ele
viu ao longe um homem empurrando uma grande
carroça: tinha nariz de gavião e dentes de lobo, e
as mãos eram garras de águia: de seus olhos saíam
chispas como se fossem relâmpagos.
- Eh, entra na carroça! - gritou ele para Alcon.
- Deixa-me subir primeiro - disse a Dona
Preocupação, e sem demora meteu-se dentro dela.
Kartapux riu com ironia, mas, o que havia? por mais
força que fizesse, ele não podia ir adiante! D.
Preocupação era mulher muito pesado. Corria o suor
do carroceiro, da testa até o queixo; ele gemia e
arquejava; mas não adiantava, a carroça não
andava.
O carroceiro soltou uma horrível praga, que foi
seguida de um prolongado grito de dor.
Lá no alto, zumbiram no ar, pela terceira vez, umas
asas, batendo com força. O último inimigo tinha
sido derrotado.
O rapaz soltou então uma alegre gargalhada, ao
sentir-se o libertador de sua pátria. Esta idéia o
encheu de verdadeira satisfação; mas sua alegria
durou poucos instantes: ele voltou os olhos e viu
aqueles três sêres que, embora o tivessem
ajudado, agora menos do que nunca se separariam
dele, e esta idéia o afligiu profundamente: abaixou
a cabeça, aniquilado, e pelas suas faces correram
copiosas lágrimas.
Foi sacudido de sua tristeza e sua aflição ao ouvir
os cantos e os gritos de alegria dos habitantes do
cidade, que saíam radiantes ao seu encontro: as
moças, vestidas de branco, lhe ofereciam flores; a
mais bonita de todas elas lhe cingiu a fronte com
uma coroa de louros.
Ondulavam ao vento os estandartes e as
bandeirolas, soavam as trombetas, iluminavam o ar
as fogueiras, e por todo o país se cantavam
louvores ao libertador. Então foi carregado em
triunfo até a presença do monarca, o qual desceu
de seu trono, o abraçou e beijou na testa. Depois
lhe dirigiu um longo e penetrante olhar e lhe disse:
- Valente rapaz: estou vendo que em teu coração
domina, como no meu, um profundo pesar. Ignoro a
causa disso; mas a da minha aflição, tu
seguramente a conheces: os criminosos que tu
exterminaste levaram a minha filha querida para um
castelo de ferro, de onde não é possível ela fugir.
Meus cabelos embranqueceram de tanta tristeza, e
meu coração não consegue consolar-se. Ajuda-me,
herói, se puderes. Terei a felicidade de ver-te
libertar minha filha?
- Tentarei - respondeu Alcon com voz firme e
decidida -; verei se o consigo.
O semblante do monarca iluminou-se ao ouvir essas
palavras, e ele disse ao rapaz:
- Se me deres tão grande consolo em minha velhice,
podes contar que te proporcionarei uma felicidade
que há de acompanhar-te a vida inteira.
O rapaz voltou a cabeça e lançou um triste olhar
aos seus acompanhantes, atrás dele, mudos como
pedras. O monarca o observou e perguntou:
- Quer que eu mande amarrar-lhes os pés e as
mãos, è encerrá-los num cárcere escuro?
- Ah, Soberano, - respondeu Alcon - eles desprezam
o teu poder; não existe mão humana capaz de
afastá-los.
- Está bem, - retorquiu o monarca - te cercarei de
soldados, de modo que ninguém possa aproximarse
de ti.
- Não adianta - disse o rapaz, por toda resposta, e
seu rosto se cobriu de tristeza; depois, muito
calmo, como se falasse consigo mesmo,
acrescentou: - Eles não andam na. minha frente,
nem atrás de mim; estão dentro de mim. Minha boa
mãe! Que te fiz eu, para merecer tão grave castigo?
O rei abaixou os olhos e uma onda de compaixão
lhe inundou o peito; mas não pôde dizer nada. O
rapaz reagiu, fez com a mão um gesto de despedida
e disse resolutamente:
- Senhor, parto ao encontro da luta. Queira Deus
dar-me a vitória! - E se afastou.
O rei o seguiu longo tempo com os olhos, depois se
retirou para os seus aposentos, pensativo.
Alcon andou dia e noite, com seus acompanhantes,
até chegar ao destino: o castelo de ferro. Uma vez
ali, postou-se diante de seus muros, carrancudo e
ameaçador. Em torno dele uma paisagem despida e
deserta: não crescia ali nem um arbusto, não se
sentia o perfume de uma flor, nem se percebia o
sussurro de uma árvore movida pelo vento.
Por mais que procurasse, não conseguiu descobrir
entrada alguma para a fortaleza: quatro muralhas
de ferro se elevavam até as nuvens e nelas não
existiam porta alguma, ou tampouco janela, na qual
trepar.
Então ele ficou parafusando o cérebro, para ver
como podia entrar. Seus camaradas estavam
imóveis e não pronunciavam uma palavra; o céu se
cobrira de negras nuvens; nos arredores toda a
natureza se conservava na mudez desoladora do
deserto. Parecia que a vida se tinha extinguido e
que a natureza toda, diante daquele assustador
castelo, suspendera o seu ritmo.
Mais de seis semanas ele esteve ali, sem que a
hora seguinte fosse em nada diferente da anterior,
nem o dia atual do precedente. Já estava disposto
a desistir da sua empresa, quando chegou o Ano
Novo, cujo primeiro dia caiu dessa vez num
domingo, como no ano do seu nascimento.
Renasceram com ele os seus sonhos da meninice e
da adolescência, e desapareceu como por encanto
toda a recordação dos fatos que tinham vindo
depois. Porém ele olhou para os seus
acompanhantes, e a lembrança de sua falecida mãe
lhe encheu o coração de suave melancolia. Nisto
percebeu que os da sua comitiva murmuravam;
escutou e aprendeu com humildade umas palavras
enigmáticas que eles proferiam, e que significavam
pecado e culpa, penitência e arrependimento.
Comovido no mais íntimo de seu ser, tapou o rosto
com as mãos, e ao retirá-las não pôde crer no que
viam seus olhos: tinha diante de si, envolta numa
névoa, a figura de sua mãe, que lhe falou com a
mesma brandura e a mesma intimidade de muitos
anos antes:
- Já esqueci tudo, meu filho. Agora vai florescer
para ti a vida, com toda a sua beleza e o seu
esplendor. Não resta dúvida de que precisarás ter
um pouco de paciência. Espera até o meio-dia, até
que chegue sol, o sol benfeitor.
Dizendo isto, a figura da mãe desapareceu e Alcon
ficou novamente sozinho, com seu
acompanhamento que tão pouca companhia lhe
fazia. Pela primeira vez, desde que o anjo o havia
abandonado, sentiu passar pelo seu coração um
bafejo de paz.
Nisto chegou o Ano Novo. Rasgou-se o céu
anuviado e apareceu, vitorioso, o cálido, o
refulgente Sol. Naquele mesmo instante partiu-se
em duas a muralha de ferro do castelo, formando
uma espécie de porta, e no umbral apareceu uma
extravagante figura: um gigante de pedra, da altura
de uma torre, que, avançando, levantou a cabeça,
para olhar fixamente o Sol, banhando-se em seus
cálidos raios. Finalmente deu uma olhadela em
torno de si, e ao ver Alcon, que sentia o sangue
quase gelar nas veias, gritou com voz de trovão:
- Filho do homem! O que fazes aqui? Faz muito
tempo que me esperas? Fica sabendo que não
posso viver senão ao sol, pois do contrário sou um
homem de pedra, frio, sem vida; frio, sim, morto;
mas invulnerável. Não há martelo, nem machado,
nem serra, que possa comigo; somente um pequeno
machado de prata, que pertence ao meu patrão, o
ferreiro Artapex. Fica sabendo também, ô filho do
homem! - continuou ele - que aqui, defronte do meu
castelo de ferro, aparece uma vez de dez em dez
anos, a constelação de ouro, ou seja, o dia do Ano
Novo, o único dia em que posso viver. E se não o
sabes, vou mostrar-te que energia eu tenho:
estenderei meus braços de pedra, te apertarei com
eles e te reduzirei a pó!
Alcon sentiu como se estivesse mesmo sendo
abraçado, e gritou, com uma ânsia mortal:
- Sr. Pesar, Sr. Pesar! Acuda!
O Sr. Pesar apareceu, colheu em suas mãos os raios
do sol e os espremeu. De repente a escuridão
invadiu tudo, e reinaram outra vez, em toda aquela
região, a noite e as trevas. Extinguiu-se a vida do
gigante de pedra, o qual tombou ao chão, em todo
o seu comprimento. Alcon, então, pegou um martelo
de prata e fez em pedaços aquele monstro.
Depois disto, entrou resolutamente pela brecha da
muralha de ferro, no pátio do castelo. Ali havia
morado, em outros tempos, o gigante de pedra,
mas agora o local estava vazio.
Ao abrir a porta, viu um grande lago verde, e, mal
chegou à sua margem, surgiu da água uma criatura
estranha: uma espécie de mulher, cuja cabeça, em
vez de cabelos, tinha onduladas serpentes, que
sibilavam furiosas; seu corpo terminava em cauda
de peixe, e em vez de braços tinha dois
assustadores crocodilos, que esticavam as cabeças
na direção do rapaz apavorado.
- Sou a senhora do lago - gritou - e ninguém pode
apanhar-me se não possuir a rede do meu patrão, o
pescador Martapix. Agora vou engolir-te. Apanhai-o,
minhas serpentes; agarrai-o, crocodilos.
Alcon, naquele sério embaraço, exclamou:
- Acuda, D. Preocupação! Acuda!
Acudiu depressa a senhora de cinzento, tocou a
água com a mão, e o lago ficou gelado. A senhora
do lago começou a tiritar de frio e ficou presa do
gelo, mas assim mesmo ria, porque pensava que
Alcon não podia fazer nada contra ela. Mas 21e
puxou a rede, fina como teia de aranha, colocou-lhe
na cabeça e arrastou-a até a margem.
Como a mulher não podia viver senão dentro
d.água, fora dela secaria. As serpentes lhe caíram
da cabeça, os crocodilos se desprenderam de seus
braços, e ela se encolheu e caiu morta aos pés do
jovem. Este, com passos ligeiros, atravessou a
superfície do gelo e chegou ao pátio do castelo. No
centro dele havia um anão, todo de areia amarela. -
Quem és tu? - perguntou Alcon.
- Sou o poderoso areal. Pareço pequeno, mas sou
enorme, pois guardo em mim toda a areia do
mundo. Se alguém se aproxima de mim, cubro-o de
areia até afogá-lo, e ninguém pode salvá-lo, porque
todos os homens juntos não podem carregar tanta
areia como a que guardo comigo. Só existe um,
nada mais, que pode fazer isto, numa carroça que
possui, e dele eu dependo eternamente: é o
carroceiro Kartapux. Agora tu, para tua perdição,
vais experimentar a minha força!
No mesmo instante caíram sobre o moço nuvens e
mais nuvens de areia. Ele gritou, desesperado:
- Acuda, Srta. Angústia!
E apareceu, ondulante, uma figura vaporosa, que
levantou os olhos para o céu, e caiu imediatamente
uma chuva tão copiosa de lágrimas, e com tamanha
força, que Alcon não enxergava nada em sua volta.
E a chuva caía sem cessar, com grande abundância.
Aquele dilúvio salgado desmanchou todo o areal, o
dissolveu, e depois espalhou as massas de areia e
as esparramou pela terra, enchendo
com ela os regatos e os rios, e mandando o
resto para o mar obscuro, onde ainda se encontra.
Apesar disto, a areia parecia não querer
desaparecer todo dali, e restaram ainda grandes
quantidades dela, que Alcon carregou com sua
carroça até não ficar mais um grão, e a levou para o
grande país do Saara, que dali por diante se
transformou num deserto de areia.
Depois ele voltou ao castelo de ferro. Penetrou nele
e se viu defronte de um compartimento que se
fechava apenas com uma cortina de veludo
encarnado; mas não se atreveu a entrar, porque
sabia que dentro daquele quarto estava a esbelta e
formosa princesa, à espera do seu salvador.
Súbito a cortina correu, e no umbral apareceu a filha
do rei, cercada de uma auréola de luz, e
trasbordante de reconhecimento, o qual parecia
saltar-lhe em cachoeiras dos olhos. Estendeu a mão
ao rapaz e lhe disse:
- Eu te bendigo, meu herói e salvador. Enquanto
viveres terás toda a minha estima e a minha
gratidão; estarei sempre a teu lado; jamais te
abandonarei.
- Obrigado, bondosa princesa, - respondeu Alcon -
mas não posso prender teu destino ao meu. Olha
qual é a minha comitiva: o Sr. Pesar, com a D.
Preocupação e a Srta. Angústia. . . que, parece, não
vão deixar-me nunca mais... Por outro lado,
confesso que me sinto muito agradecido a eles,
pois por duas vezes me salvaram de morte certa;
mas vou passar uma vida melancólica, enquanto
estiverem perto de mim. Teu espírito juvenil, tua
alma alegre e jovial, teu ânimo sereno e pacífico,
mal poderiam suportar esta minha desolada
existência.
Diante de semelhantes palavras, a princesa
levantou as mãos para o céu e disse em tom de
súplica:
- Meu amo e senhor, não me mandes embora! A
mim nada assusta; eu nada temo. Se não me
queres por esposa, permite que eu te sirva como
humilde serva, dedicada a ti e aos teus desejos,
fiel até o fim.
O rapaz sentiu que seu coração se aquecia com tão
expressivas frases, e, tomando-a nos braços, a
beijou na boca encarnada. De repente passou pelos
seus olhos uma coisa negra, e observando-a
verificou que era o Sr. Pesar que, com sua voz
cavernosa, lhe dizia:
- Adeus para sempre. Chegou o meu inimigo, que
me derrotou, e tenho de ceder, porque vejo a
felicidade que te cerca.
- Adeus! - respondeu Alcon satisfeito com a notícia
- Agradeço os teus fiéis serviços, mas já não
preciso de ti.
Dizendo isto, apresentou-se D. Preocupação, e com
voz do além-túmulo, lhe disse:
- Eu também não continuarei a teu lado. Chegou o
meu inimigo, e fui vencida por ele. Sinto a presença
dele; por outro lado, vejo que o contentamento se
apoderou de todo o teu ser.
- Também te agradeço, - disse Alcon - tens razão,
deveras: sinto-me feliz com minha sorte; não podia
desejá-la melhor.
Aproximou-se finalmente a Srta. Angústia, e disse,
soluçando:
- Preciso abandonar-te porque meu adversário, o
amor, afugenta-me.
Olhou então Alcon para os olhos de sua linda noiva,
risonhos e cheios de amor, e sorriu também, por
longo tempo, podendo fazer apenas um ligeiro
gesto de despedida à Srta. Angústia.
Mal desapareceram os três companheiros, a cortina
correu de novo e apareceu o vulto da mãe de Alcon:
trazia pela mão um anjo vestido de branco e com
asas de ouro. No semblante da mãe se refletia a
beatitude celestial, tão iluminada estava.
- Recebei minha bênção, meus filhos - disse ela,
com uma voz que ressoou como se fosse uma suave
música.
- Meu filho, - disse ainda - tu pecaste, e pagaste
pelas tuas culpas; agora te aguarda a felicidade;
serão teus companheiros a alegria e o amor.
Devolvo-te o teu anjo. Estará a teu lado, como
antigamente, para ajudar-te em todos os
embaraços do vida.
Ao dizer isto sorria doce, prazenteiramente, como
só sabe sorrir uma mãe consciente da felicidade de
seu filho.
Os noivos, por sua vez, de mãos dadas, se
apresentaram diante do trono do rei. Atrás deles,
em vez das três dolorosas personagens, ia a figura
celestial do anjo.
Trasbordante de alegria, pegou sua coroa e a
colocou na cabeça de Alcon. Ressoaram em todo o
país as orquestras populares, e a alegria era tão
grande que abafava o murmúrio dos rios, o uivo do
vento e o rugido da tempestade.
* * *
FIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...