Quem sou eu

Minha foto
HOJE ALGUMAS FRASES ME DEFINEM: "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." Clarice Lispector "Os contos de fadas são assim. Uma manhã, a gente acorda. E diz: "Era só um conto de fadas"... Mas no fundo, não estamos sorrindo. Sabemos muito bem que os contos de fadas são a única verdade da vida." Antoine de Saint-Exupéry. Contando Histórias e restaurando Almas."Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa

Colaboradores

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

O Leão e o Mosquito











O dia era de calor insuportável e por isso o leão procurava descansar à sombra reconfortante de uma árvore frondosa. Mas não conseguia fazê-lo em paz porque um mosquito não lhe dava sossego, atormentando-o com o zumbido de seu vôo e a ardência que suas picadas provocavam. Irritado com o incômodo que o pequeno inseto lhe causava, leão rugiu ameaçador:

- Some daqui, bicho insuportável! Vai-te para longe, miserável!...

O mosquito não gostou da forma encolerizada como fora tratado, e por isso revi-dou com atrevimento:

- Se estás pensando que tua condição de rei dos animais vai me amedrontar, estás redondamente enganado. Caso não saibas, outros animais de tamanho bem maior que o teu não conseguem me assustar, e já que é assim, prepara-te, porque a guerra entre nós dois vai começar agora.

E dizendo isso se atirou com raiva sobre o peito do leão, procurando depois sua barriga, em seguida o focinho, o dorso e outras partes onde o pêlo do adversário era mais ralo, e nos lugares em que pousava tratava logo de perfurar-lhe a pele com seu bico em forma de agulha, longo e afiado. Isso foi enfurecendo cada vez mais o poderoso monarca porque este sentia a dor da picada mas não conseguia avistar o mosquito, e por esse motivo os olhos da fera passaram a faiscar de raiva, da boca lhe brotou a espuma da cólera, sua cauda passou a chicotear o ar em todas as direções, enquanto as garras batiam com violência em seu próprio corpo, aqui, ali e acolá, inclusive cortando-lhe a pele e fazendo-a sangrar. E assim ficou ele se contorcendo violentamente durante vários minutos, até que, completamente esgotado, estirou-se no solo, totalmente indefeso.

Vendo isso o mosquito se encheu de orgulho, sentindo-se glorioso, triunfante, invencível. E lançando ao leão prostrado um olhar de profundo desdém, partiu em vôo cantado disposto a anunciar a todos a grande vitória conquistada. Mas nem bem saiu do lugar e sua carreira foi interrompida por uma teia de aranha quase invisível, onde ele ficou imobilizado, sem outro recurso senão esperar que a morte viesse colocar um ponto final em sua vida de proezas.

Moral da história
: O inimigo mais perigoso é sempre o que consideramos como o de menor importância.

Baseado em uma fábula de La Fontaine.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...