Quem sou eu

Minha foto
HOJE ALGUMAS FRASES ME DEFINEM: "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." Clarice Lispector "Os contos de fadas são assim. Uma manhã, a gente acorda. E diz: "Era só um conto de fadas"... Mas no fundo, não estamos sorrindo. Sabemos muito bem que os contos de fadas são a única verdade da vida." Antoine de Saint-Exupéry. Contando Histórias e restaurando Almas."Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa

Colaboradores

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

A farinha mágica - parte IV - O violonista


A megera estendeu de novo uma das suas mãos aduncas para o soberano e respondeu
cantarolando:
"O pescoço crescera, crescera sempre, até por cima das árvores poderes olhar; e os
dedos das tuas mãos crescerão até que prazia a Deus fazê-los parar; e os dos pés
também aumentarão até com os braços se poderem comparar."
- Que dizes? - bradou o monarca, horrorizado. Por única resposta a feiticeira indicou ao
rei os dedos dos seus pés, que já tinham arrombado os sapatos e cresciam a olhos
vistos.
Depois recomeçou a cantar: "Quem da farinha mágica comer por força terá de se
dar mal. . . Homem, criança, mulher ou animal, seus efeitos terá de sofrer!"
Em seguida acenou para o palácio, exclamando:
- Olhem para ali! Todos os olhares se dirigiram para a cozinha real, da qual vinha
saindo um estranho escaravelho, cujas pernas eram compridas como as de um cavalo,
enquanto o resto do corpo ficara normal.
- Comeu um pouco da farinha mágica - acrescentou a feiticeira, parando de cantar -.
Vejam que efeito extraordinário!
Ao verem aquilo, mulheres e crianças começaram a soltar gritos altíssimos, assustando
o pobre escaravelho, que procurou esconder-se em um canto.
- Agora vou levar o resto da farinha - prosseguiu a feiticeira, dirigindo-se para a
cozinha.
Mas o rei perdeu a paciência e intimou-a com voz terrível:
- Não te movas daí, maldita feiticeira!
Naquele momento a rainha apareceu no pátio, juntamente com a filha e com o
violinista mágico.
- Se a tua farinha provocou todos estes males, terás de remediá-los imediatamente,
do contrário te mandarei lançar as feras! - acrescentou o rei, fitando a feiticeira do
cimo do seu desconforme pescoço.
A velha deu uma gargalhada, pulou de lado, e depois respondeu:
- Eu nada sei... Não posso fazer coisa alguma !
- Como! Quererás recusar-te e remediar o mal que causaste? - bradou o soberano,
furibundo.
- Hi! Hi! Hi! - riu-se a feiticeira, recomeçando a
dançar -. Eu não posso fazer coisa alguma !
- Afoguem-na no lago! - disse a rainha.
- Vamos queimá-la viva! - sugeriu o médico da corte.
- Que seja enforcada! - berraram os criados.
- Joguemo-la dentro de água fervente! - gritaram os pajens.
- Silêncio! - ordenou o rei, erguendo a voz -. Vão chamar imediatamente o cozinheiro.
Alguém correu a chamar o cozinheiro, pondo-o a par de tudo o que acontecera.
O pobre diabo lançou-se de joelhos diante da feiticeira, exortando-a a socorrer o
soberano, mas a velha recuou alguns passos e botou a língua de fora, em sinal de
zombaria.
- Meu pai ! Meu pobre pai ! - gritou naquele momento a princesa -. O seu pescoço
continua a crescer!
O soberano atingira o paroxismo do desespero, e, chamando alguns guardas que
assistiam a cena, ordenou-lhes:
- Agarrem essa velha! - Em seguida, voltou-se para a tia do cozinheiro, acrescentando:
- Se não me deres imediatamente um remédio, far-te-ei arrastar pelos cabelos ao
longo das ruas da cidade e serás açoitada até morreres.
A megera respondeu ainda dessa vez com uma gargalhada rouca e zombeteira.
- Levem-na para a prisão! - ordenou então o desesperado soberano.
Naquele momento, o violinista mágico aproximou-se do rei e disse-lhe:
- Em vez de a mandardes matar, Majestade, peço-vos que a mandeis entregar a mim.

* * *

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...